Um momento Heisman? Experimente o Momento de Carreira. Michael Benix Jr. lançou Washington em uma vitória emocionante sobre Oregon

SEATTLE – Purple Majesty se transformou em Purple Madness.

Uma tempestade de campo roxa. Pessoas roxas em todos os lugares. Camisas roxas. Chapéus roxos. Placas roxas e sapatos roxos também.

O mar roxo, balançando e balançando, rindo e chorando. E então houve o Sr. Roxo que teve que ir de um lado a outro deste oceano roxo. Ele não tinha barco, avião, carro, apenas um segurança que cortou esses corpos parecidos com zagueiros por um secundário.

“Você é o cara, Mike!” Um fã gritou com ele.

“Mike! Mike! Mike!”, cantou outro grupo.

Uma mulher tropeça no quarterback, percebe a celebridade diante dela e grita: “Michael Benix!!” ela gritou.

De todos os feitos de Michael Benix Jr. no sábado no Husky Stadium, sua manobra hábil neste mosh pit roxo é a mais impressionante. E ele quer pedir desculpas a todos os invasores que se encontraram na ponta do antebraço de seu protetor.

Não são necessárias desculpas do mago de Washington. Um mago roxo. Um mago do futebol. Para Oregon e todos, ele deixa como um hipócrita vestido de púrpura.

“Você está olhando para um vencedor do Troféu Heisman bem aí”, apontou o alvo favorito de Bennix, o recebedor do Washington Rom Oduns, ao seu quarterback durante a entrevista coletiva pós-jogo.

Isso não é brincadeira. Não foi por acaso.

O que Bennix fez aqui no sábado – levando os Huskies a uma vitória por 36-33 sobre os Oregon Ducks, uma briga ofensiva de troca de socos, um confronto dramático feito para a TV entre dois dos 10 maiores rivais em uma batalha na fronteira – não pode ser exagerado.

Os números são os mesmos. Benix teve dias melhores do que este (302 jardas, 59 porcentagem de conclusão e uma proporção de TD para INT de quatro para um). Mas olhe mais longe.

READ  Aviões chineses cruzam a linha mediana do Estreito de Taiwan enquanto uma China enfurecida inicia exercícios

O quarterback do Washington Huskies, Michael Benix Jr., comemora um touchdown contra o Oregon Ducks no sábado, em Seattle. (Steph Chambers/Imagens Getty) (Steph Chambers via Getty Images)

Confira a luta no final do jogo no quarto período. Veja como ele enfrentou pegadinhas difíceis nas últimas tentativas e como ele conseguiu mudar um jogo – e vencer um jogo, aliás – em apenas duas jogadas. Observe como ele força o treinador adversário a tomar decisões misteriosas (falaremos disso mais tarde).

Confira tudo.

“Temos uma equipe cheia de médicos”, disse Benix.

Ele fez jus ao seu alto faturamento – duas das melhores unidades ofensivas e zagueiros do país sangraram as defesas um do outro em um memorável festival de touchdowns. Diante de uma multidão vestida de roxo de mais de 71.000 pessoas, houve seis mudanças de liderança, seis tentativas de quarta descida, grandes mudanças de ritmo e, no final das contas, um quarterback calmo e composto.

Com seu time perdendo quatro pontos a 2 minutos, 11 segundos e 53 jardas da end zone, ele precisou de duas jogadas para vencer, dois chutes de pulso – os primeiros 35 jardas para Jalin Polk e o segundo para Oduns nas 18 jardas. , pontuação verde.

Como um lutador jogado para trás após um rápido gancho de esquerda, Oregon tropeçou nas cordas, mas se recuperou. Os Ducks marcharam 50 jardas e prepararam o chutador Camden Lewis para um field goal que poderia empatar o jogo, apenas para vê-lo desviar para a direita.

Foi quando Purple Majesty se tornou Purple Madness. Multidões de estudantes e torcedores correram para a superfície de jogo, espirrando na grade de 2,5 metros e caindo no chão.

READ  A missão Peregrine abandonou sua tentativa de pousar na Lua após sofrer uma perda ‘crítica’ de combustível

Fogos de artifício – Roxo! – Iluminou o céu nublado. “Purple Rain” de Prince tocou no alto-falante. E das nuvens acima, num final de livro de histórias, chuvas batizam suas cabeças.

O Sr. Roxo nadou no meio do oceano.

“Por mais que eu quisesse comemorar, foi agitado”, disse ela, “no bom sentido!”

Washington QB Michael Benix Jr. (9) é entrevistado após vencer o Oregon no sábado no Husky Stadium.  (Steven Physick-USA TODAY Sports)

Washington QB Michael Benix Jr. (9) é entrevistado após vencer o Oregon no sábado no Husky Stadium. (Steven Physick-USA TODAY Sports) (USA TODAY Esportes/Reuters)

Mas vamos trabalhar de trás para frente, certo? Como diabos chegamos aqui?

Perdendo por 29-18 no final do terceiro quarto, Oregon de repente encontrou maneiras de desacelerar um ataque liderado por Bennix que marcou touchdowns em quatro de suas primeiras seis tentativas. O quarterback dos Ducks, Bo Nix, em uma campanha de Heisman que duvidava da Billboard, ganhou vida, ajudando seu time a recuperar a vantagem de 33-29.

O que se seguiu foi uma sequência selvagem.

A defesa do Oregon colocou os Huskies nas arquibancadas da linha do gol (três snaps na linha de 3 jardas). Os Ducks marcharam até a linha de 47 jardas de Washington enquanto esgotavam o tempo para 2 minutos. Então, no final do que certamente seriam meses de turbulência, o técnico Dan Lanning decidiu. Na quarta para 3, o passe de Bo Nix falhou, Benix assumiu e os Wizards começaram.

A decisão de Lanning, certa ou errada, foi outra jogada agressiva do jovem treinador. Ele fez dois gols de campo durante o jogo, enquanto seu time entrou duas vezes dentro da linha de 10 jardas de Washington e saiu sem gols.

Então, ele apontou o dedo para si mesmo.

“Acho que o jogo é 100% por minha conta”, disse ele aos repórteres.

READ  Ministério da Defesa diz que a Rússia destrói os drones da Ucrânia, incluindo os de Moscou

Aqui está uma observação importante para todos nós lembrarmos enquanto Benix e os Huskies continuam sua marcha nesta temporada: Michael Benix muda a matemática para os treinadores.

O técnico do Washington, Cullen DeBoer, sabe que a produção e a eficiência de seu quarterback afetam os resultados do outro lado.

“Acho que sim”, disse ele. “Nossa defesa tem que defender um estilo de ataque mais agressivo porque as outras equipes sabem que vamos somar muitos pontos no placar”.

O que Michael Benix não pode fazer? Ele força erros estúpidos de treinamento. Ele enfia a linha nas agulhas. Vitórias nos jogos. Guerras por capturas.

Benix descreveu isso como uma “pequena cólica”. Seu treinador não.

“O cara estava com cólicas, cólicas durante todo o quarto período”, disse DeBoer. “Você provavelmente já viu isso. Ele está tentando ter um momento. Este é Michael. Ele já passou por isso há anos. Você não pode tirá-lo do campo naquele momento.

“O coração que ele tem. Esmagando-o. Garra.”

Em um dos últimos momentos ofensivos do jogo, com a lateral dolorida e o coração batendo forte, Bennix passou de uma jogada a outra ao encontrar Oduns na cobertura um a um. Ele jogou a bola para o jogador de 1,80 metro e 215 libras, que agarrou o cornerback Trickways Bridges do Oregon.

“Meu garoto contra o garoto deles. Eu sempre levo meu filho”, disse Benix.

Claro, é impressionante. Mas que tal vagar no roxo da humanidade?

Benix finalmente conseguiu chegar ao outro lado do Mar Roxo. Ele foi até o metrô de Washington, mudou a rampa e lá ficou esperando – um sultão vigiando seus muitos súditos.

Ele posou para fotos, deu autógrafos e abraçou familiares.

“Nós vencemos os malditos patos!” Uma mulher rugiu, passando os braços em volta do pescoço de Bennix.

Ali, naquele momento, Bennix estava de pé no túnel escuro. A única luz? Roxo, claro, as luzes refletindo seu rosto sorridente.

Afinal, o roxo é a cor real – a sombra dos reis. Talvez, neste evento, tenha sido escolhida a cor do novo Troféu Heisman.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *