Reunião Xi-Putin: Xi da China enfatiza laços estreitos com o ‘querido amigo’ Putin na primeira visita à Rússia desde a invasão da Ucrânia

(CNN) Xi Jinping e Vladimir Putin se reuniram no Kremlin para falar sobre os laços estreitos e as visões estratégicas que China e Rússia compartilham, apesar das profundas dúvidas em Kiev e no Ocidente, no primeiro dia de uma visita de Estado enquadrada por Pequim como um plano de paz.

Desde o lançamento de Moscou sem estímulos, Ji realiza sua primeira façanha Invasão da Ucrânia No ano passado, dias depois de o Tribunal Penal Internacional de Haia ter indiciado o presidente russo Cometendo crimes de guerra A Ucrânia emitiu um mandado de prisão contra ele.

Espera-se que a Ucrânia seja um importante ponto de discussão durante a visita de Xi. Conflito arraigado Já matou dezenas de milhares de pessoas e desencadeou uma enorme crise humanitária.

“Nos últimos anos, a China deu um grande salto à frente”, disse Putin a Xi, sentado ao lado dele no Kremlin na tarde de segunda-feira. “Em todo o mundo, desperta curiosidade e, infelizmente, até inveja.”

Chamando Putin de seu “querido amigo”, Xi disse que “o desenvolvimento da Rússia melhorou significativamente sob sua liderança”.

A China classificou a visita como uma “jornada de amizade, cooperação e paz” em meio ao esforço de Pequim para ser um dos principais apoiadores da resolução do conflito. Mas a visita de Xi pode ser vista em algumas capitais ocidentais como um forte endosso do líder russo diante da ampla condenação internacional de sua guerra.

O principal diplomata dos EUA, Anthony Blinken, disse que a visita mostra a intenção da China de fornecer “cobertura diplomática” para as atrocidades da Rússia na Ucrânia.

“Dias depois que o Tribunal Penal Internacional emitiu um mandado de prisão para o presidente Putin, o presidente Xi está viajando para a Rússia, dizendo que a China não tem responsabilidade de responsabilizar o Kremlin por atrocidades na Ucrânia e que, em vez de condená-las, está cumprindo”, disse. Blinken disse em uma entrevista coletiva no Departamento de Estado dos EUA sobre o lançamento da Declaração de Direitos Humanos de 2022. disse.

Durante a parte divulgada da reunião de segunda-feira, Putin disse mais uma vez a Xi que estava “sempre aberto ao processo de negociação”, apesar de sua repetida recusa em se envolver com Kiev na retirada do território ucraniano.

“Estudamos cuidadosamente suas propostas para resolver a crise aguda na Ucrânia”, disse Putin a Xi.

READ  Data de lançamento do SpaceX Crew-6 adiada

“Claro, teremos a oportunidade de discutir esta questão. Sabemos que vocês se baseiam nos princípios da justiça e no compromisso com os pontos fundamentais do direito internacional”, disse Putin. “Certamente discutiremos todas essas questões, incluindo sua iniciativa.”

Os líderes ocidentais expressaram dúvidas sobre o papel potencial da China como pacificadora e sua neutralidade. Em vez disso, os EUA e seus aliados alertaram a China desde o mês passado O envio de morte assistida é considerado Para a Rússia por seu esforço de guerra, Pequim recusou.

Espera-se que Kiev também observe os procedimentos de perto e na segunda-feira reiterou que qualquer plano de paz deve começar com a retirada russa de seu território.

“Esperamos que Pequim use sua influência em Moscou para encerrar a guerra de agressão contra a Ucrânia”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, Oleg Nikolenko, à CNN na segunda-feira.

“Restaurar a integridade territorial da Ucrânia deve estar no centro de todo esforço diplomático”, disse ele. “Estamos prontos para iniciar um diálogo próximo com a China para restaurar a paz na Ucrânia, de acordo com a Carta da ONU e a recente resolução da AGNU sobre o assunto.”

Putin reiterou a Xi que está “sempre aberto ao processo de negociação”, apesar de suas repetidas recusas em se envolver com Kiev na retirada do território ucraniano.

Em cima da mesa

A visita de Xi ocorre dias depois que o TPI fez de Putin uma pessoa procurada nos 123 países que reconhecem o tribunal, aprofundando o isolamento do líder russo do Ocidente enquanto ele continua uma guerra sangrenta e custosa na Ucrânia.

Esperava-se que o líder chinês se encontrasse com Putin na tarde de segunda-feira, horário local. Ele foi recebido em sua chegada ao aeroporto de Vnukovo, perto de Moscou, por Dmitry Chernyshenko, um dos 10 vice-primeiros-ministros da Rússia e uma banda militar russa, mas Putin não compareceu ao encontro.

Mais tarde, a mídia russa mostrou a carreata de Xi passando pela cidade antes de três dias de reuniões nas quais se espera que ele apresente uma estrutura para encerrar o conflito que recebeu uma recepção morna do Ocidente.

A China tem procurado recentemente reabilitar a sua imagem, apresentando-se como proponente da paz e defendendo a sua relação com a Rússia como boa para a estabilidade global. No mês passado, Pequim divulgou Documento de posição formulado de forma ambígua Uma “solução política” para o conflito na Ucrânia.

READ  ERCOT emite aviso de segurança voluntário devido ao requisito de registro esperado para elétrico - NBC 5 Dallas-Fort Worth

Após o anúncio da visita de Xi a Moscou na sexta-feira, a Casa Branca expressou preocupação com possíveis planos da China que são “unilaterais e refletem apenas a perspectiva russa”.

Por exemplo, uma proposta de cessar-fogo – que a China pediu repetidamente – daria à Rússia uma maneira de se reagrupar antes de lançar uma retaliação, disse John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

Na segunda-feira, depois que Xi chegou a Moscou, o secretário de Estado dos EUA, Blinken, disse que “elementos” da proposta de paz da China para a guerra estavam alinhados com os esforços que Washington apóia.

“A proposta da China inclui os elementos que apoiamos há muito tempo, incluindo os primeiros elementos para garantir a segurança nuclear, resolver a crise humanitária, proteger os civis e defender a soberania, independência e integridade territorial de todas as regiões”, disse Blinken.

Mas, disse ele, “qualquer pedido de cessar-fogo que não inclua a remoção das forças russas do território ucraniano apoiaria efetivamente a afirmação de uma vitória russa” porque “permitiria ao presidente Putin descansar, redistribuir suas forças e então retome a guerra. Em um momento mais favorável para a Rússia.”

“O mundo não deve ser enganado por nenhum movimento tático da Rússia, apoiado pela China ou qualquer outro país, para congelar a guerra em seus próprios termos”, disse Blinken.

Xi deve pisar com cuidado

Espera-se que a visita forneça uma plataforma para os dois países aprofundarem ainda mais seu estreito alinhamento estratégico, que inclui coordenação diplomática, exercícios militares conjuntos e comércio robusto.

Em um comunicado divulgado após a chegada de Xi na segunda-feira, o líder chinês disse: “Diante de um mundo turbulento e em mudança, a China está pronta para continuar trabalhando com a Rússia para salvaguardar firmemente a ordem internacional”.

Tanto Putin quanto Xi disseram em cartas separadas um ao outro, publicadas na mídia estatal antes da visita, que o encontro traria “novo ímpeto” ao relacionamento bilateral.

Ambos também usaram as cartas para denunciar a “hegemonia” – uma referência à sua intenção compartilhada de recuar contra o que veem como uma ordem mundial liderada pelos Estados Unidos.

Xi deve agir com cuidado durante sua viagem a Moscou. O que está em jogo para o líder chinês é se ele pode fortalecer os laços com um aliado que a China vê como crucial para combater a hegemonia dos EUA sem alienar a Europa, que está cada vez mais cautelosa com as relações sino-russas.

O presidente chinês Xi Jinping comemorou seu 66º aniversário com o presidente russo, Vladimir Putin, na capital tadjique de Dushanbe em 2019.

Putin lançou sua invasão dias depois que ele e Xi a anunciaram Parceria “Sem Limites” Em fevereiro passado.

READ  Rio de Janeiro declara estado de emergência enquanto o Brasil se prepara para festival

Desde então, a China exige neutralidade, mas apoia a retórica do Kremlin que culpa a OTAN pelo conflito, se recusa a condenar a invasão e continua a apoiar financeiramente Moscou. As compras aumentarão significativamente combustível russo.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, expressou publicamente interesse em discutir o conflito com Xi no passado, embora o contato entre os dois países não tenha alcançado mais do que o nível ministerial da Ucrânia desde o início da guerra.

Autoridades ucranianas, chinesas e americanas se recusaram a confirmar uma possível reunião virtual entre Zelensky e Xi na semana passada, após uma reportagem do Wall Street Journal de que os dois planejavam falar pela primeira vez desde a então possível viagem de Xi a Moscou.

relação próxima

Por outro lado, a visita de Estado desta semana marca o 40º encontro entre Putin e Xi desde que o líder chinês assumiu o cargo em 2012.

O química pessoal A desavença entre os dois líderes autoritários é amplamente vista como um dos principais impulsionadores do estreitamento dos laços entre os países nos últimos anos – e será examinada de perto durante a visita.

Reuniões anteriores entre os líderes, incluindo fotos, mostraram totalmente esse relacionamento Putin presenteou Xi com sorvete Em seu aniversário de 66 anos durante uma reunião de 2019 no Tadjiquistão e à margem de um fórum em Vladivostok em 2018, os dois prepararam panquecas russas juntos.

Os dois se encontraram pessoalmente pela última vez durante a cúpula da Organização de Cooperação de Xangai em setembro A primeira viagem de Ji ao exterior Quase três anos consecutivos sem viajar durante a pandemia.

Putin, que se referiu a Xi como seu “bom e velho amigo” em uma carta publicada na mídia estatal chinesa na segunda-feira, deve realizar a reunião internamente como prova de que a Rússia não está isolada no cenário mundial.

Anna Chernova, Michael Conte e Kylie Atwood, da CNN, contribuíram com reportagens

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *