Reclamação Federal diz que as admissões às opções do legado de Harvard violam a Lei dos Direitos Civis | notícias

Atualizado em 3 de julho de 2023 às 17h26

Três grupos negros e latinos apresentaram uma queixa de direitos civis contra Harvard na manhã de segunda-feira, alegando que o legado da universidade e as preferências dos doadores no processo de admissão violam a Lei dos Direitos Civis de 1964.

Uma queixa de 31 páginas apresentada por advogados de direitos civis perante o Escritório de Direitos Civis do Departamento de Educação dos EUA diz que a consideração de Harvard de disciplinas eletivas tradicionais “viola a lei federal”.

“Em outras palavras, Harvard admite principalmente estudantes brancos usando opções de doadores e legados e, como resultado direto, exclui candidatos não-brancos”, afirma a queixa.

Como destinatário de fundos federais, Harvard deve seguir o Título VI da Lei dos Direitos Civis de 1964, que proíbe a discriminação “com base em raça, cor ou origem nacional” em programas que recebem ajuda financeira federal.

O pedido ocorre dias depois que a Suprema Corte determinou que as políticas de admissão em Harvard e na Universidade da Carolina do Norte violavam a Cláusula de Igualdade de Proteção da Décima Quarta Emenda e consideravam a raça inadequadamente no processo de admissão.

Em uma declaração conjunta em resposta à decisão do tribunal na quinta-feira, os principais funcionários de Harvard escreveram que a universidade “continuará a ser uma comunidade vibrante com membros de todo o mundo”.

“Escrevemos hoje para reafirmar o princípio fundamental de que ensino, aprendizado e pesquisa profundos e transformadores dependem de uma comunidade de origens, perspectivas e experiências vividas múltiplas”, escreveram eles.

Os advogados de direitos civis apresentaram a queixa em nome do Projeto CHICA, Desenvolvimento Socioeconômico Africano da Nova Inglaterra e The Greater Boston Latino Network.

READ  UE adverte contra ação unilateral após Polônia e Hungria proibirem grãos ucranianos

A queixa descreve seis demandas, exigindo que o Departamento de Educação investigue as políticas de admissão de Harvard, declarando que as preferências do legado violam o Título VI e declarando que Harvard deve parar de considerar as preferências do legado e dos doadores se quiser continuar com o financiamento federal.

Na denúncia, os grupos pedem que “o Departamento forneça todos os recursos apropriados e razoáveis” para garantir que os requerentes não possam se referir a um relacionamento com um membro da família ou doador em nenhum momento do processo de admissão.

A denúncia alega que Harvard dá “preferência especial em seu processo de admissão a centenas de estudantes, em sua maioria brancos”, por causa de “quem são seus parentes”.

“Os alunos que recebem essas preferências especiais (“preferências de doadores e legados”) têm maior probabilidade de serem aceitos do que outros candidatos e representam até 15% dos alunos admitidos em Harvard”, afirma a queixa.

A porta-voz de Harvard, Nicole G. Roura não respondeu a um pedido de comentário sobre a reclamação de direitos civis.

Adoções herdadas há muito tempo são examinadas por autoridades federais e estaduais – um projeto de lei que proíbe adoções herdadas foi proposto no Congresso no ano passado e outro foi proposto em Massachusetts no início deste ano.

Em argumentos orais em outubro passado, os juízes perguntaram se a eliminação das opções de legado seria uma alternativa racialmente neutra para diversificar o corpo discente de Harvard. Após sua decisão na semana passada, vários juízes da Suprema Corte e o presidente Joe Biden – incluindo o presidente Joe Biden – consideraram as opções de legado injustas.

Reitor de Admissões e Auxílio Financeiro William R. Fitzsimmons ’67 defendia anteriormente concessões de nível legado de “pequenas gorjetas” no processo de admissão.

READ  Inflação de ações na Ásia, preocupações com o crescimento; RBA atinge a pausa

As escolas de elite pararam de considerar as opções de legado nos últimos anos. A Universidade Johns Hopkins, o Amherst College e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts não consideram o patrimônio em seu processo de admissão.

Em Amherst, a porcentagem de legados na classe ingressante matriculada caiu para 6% em relação à média anual de 11% do ano passado, marcando a primeira vez que os legados não foram eletivos.

Em junho de 2017, Reitor do College Rakesh Khurana, Fitzsimmons e então Reitor da Faculdade de Artes e Ciências Michael D. Presidido por Smith, o Comitê para Estudar Alternativas Raciais Neutras foi formado para considerar alternativas à sensibilidade racial da faculdade. Processo de admissão, incluindo a eliminação das preferências do ALDC: preferências por atletas, tradições, candidatos à “Lista do Reitor” e filhos de professores e funcionários.

O relatório do comitê, divulgado em 2018, disse que alternativas raciais neutras – incluindo o abandono de opções para ALDCs – não poderiam alcançar a diversidade sem sacrifícios “significativos e inaceitáveis” para “outros imperativos institucionais”.

Em sua reclamação, os advogados atacaram a insistência de Harvard de que as preferências de legado são necessárias para manter boas relações com doadores e ex-alunos.

“As pessoas não se inscrevem, não se comprometem ou doam para Harvard porque as preferências de doadores e legados eliminaram a lógica”, escreveram eles.

O processo cita especificamente o impacto que a recente decisão do tribunal terá sobre os esforços para incluir um corpo discente diversificado.

“Para promover, ou pelo menos preservar, a diversidade e a equidade no processo de admissão daqui para frente, Harvard deve parar de usar um sistema que dá preferências significativas a candidatos brancos, como opções de doadores e legados, em detrimento de candidatos de cor”, disse o comunicado. relatório disse.

READ  Decisão de Taxa do BCE, Decisão de Taxa do Banco Central

“As justificativas concretas de Harvard para usar as opções de doador e legado não constituem objetivos acadêmicos importantes; por outro lado, a diversidade é um objetivo acadêmico convincente e que Harvard sempre defendeu”, diz.

— A redatora Michelle N. Amponsah pode ser contatada em michelle.amponsah@thecrimson.com. Siga-a no Twitter @mnamponsah.

— Redator Raheem D. Hamid pode ser contatado em rahem.hamid@thecrimson.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *