Yellen diz que há ‘espaço amplo’ para mais comércio EUA-China, apesar das tensões geopolíticas

Receba atualizações gratuitas sobre as relações EUA-China

Apesar das tensões de segurança, Janet Yellen diz que há “espaço enorme” para empresas dos EUA e da China aumentarem o comércio e o investimento durante uma visita a Pequim com o objetivo de aliviar o atrito entre as duas potências.

Falando no início de sua reunião com o czar econômico chinês, He Lifeng, na Daoyudai State Guest House, em Pequim, o secretário do Tesouro dos EUA disse que uma “grande parte” das economias dos dois países deve estar ligada de alguma forma. Incontroverso para ambos os governos.

“Apesar das tensões recentes, o fato de termos estabelecido um recorde de comércio bilateral em 2022 significa que nossas empresas têm amplo espaço para se envolver em comércio e investimento”, disse Yellen.

Ao se dirigir a ela e sua equipe econômica em uma sala cavernosa da pousada, Yellen reiterou os apelos para que Pequim e Washington melhorem a comunicação, inclusive sobre macroeconomia e estabilidade financeira.

“Em meio a uma perspectiva econômica global complexa, há uma necessidade premente de as duas maiores economias interagirem de perto e trocarem pontos de vista sobre… vários desafios”, disse Yellen.

Após a reunião de quase cinco horas, Yellen e sua equipe jantaram com ele e outros altos funcionários chineses na noite de sábado.

A visita de Yellen a Pequim ocorre semanas depois que o secretário de Estado, Anthony Blinken, se tornou o primeiro funcionário do gabinete do governo Biden a viajar para a China. As viagens fazem parte de um esforço para estabilizar os laços que atingiram os níveis mais baixos em décadas. Uma tentativa anterior foi frustrada depois que a China lançou um balão espião sobre a América do Norte.

READ  Os EUA estão investigando se Adams recebeu doações ilegais da Turquia

Yellen tentou trilhar uma linha tênue, pedindo uma comunicação melhorada, enquanto exortava Pequim a não reagir exageradamente às medidas de segurança que o governo Biden tomou para impedir que a tecnologia dos EUA fosse usada para ajudar os militares chineses.

“Os Estados Unidos tomarão ações direcionadas para proteger nossa segurança nacional. Embora discordemos sobre essas ações, esse desacordo pode levar a mal-entendidos, especialmente aqueles decorrentes da falta de comunicação, o que piorará desnecessariamente nosso relacionamento econômico e financeiro bilateral”, afirmou.

Mais cedo no sábado, Yellen se reuniu com especialistas chineses em finanças climáticas. Em sua reunião, os EUA e a China – os dois maiores emissores mundiais de gases de efeito estufa e os maiores investidores em energia renovável – “têm uma responsabilidade compartilhada… de liderar o caminho”.

“Se a China apoiasse instituições climáticas multilaterais como o Fundo Verde para o Clima e os Fundos de Investimento Climático conosco e com outros governos doadores, poderíamos ter um impacto maior do que temos hoje”, disse Yellen.

Espera-se que John Kerry, enviado especial do presidente Joe Biden para as mudanças climáticas, seja o próximo alto funcionário dos EUA a visitar a China.

O encontro de Yellen com ele é amplamente considerado o mais importante de sua visita de quatro dias.

Além de ser a reunião mais longa, deu a sua equipe a chance de conhecer He, um protegido do presidente Xi Jinping que é relativamente desconhecido fora da China. Ele manteve um perfil discreto na mídia estatal chinesa desde que assumiu o cargo em março.

Nomeado vice-primeiro-ministro, ele sucedeu Liu He como rei econômico da China. Embora Liu seja respeitado no exterior por supervisionar tecnocratas no banco central e no ministério das finanças, ele tem experiência no comando do planejamento estatal na Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma.

READ  Lançamento de foguete SpaceX Falcon 9 Starlink 6-6

Ele defendeu uma maior abertura ao investimento estrangeiro, mas há preocupações de que, como leal a Xi, é improvável que ele resista à tendência de Pequim de consolidar mais controle nas mãos de empresas estatais.

A reunião também contou com a presença de Ban Gongsheng, Governador do Banco Central da China.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *