Presidente do Canadá pede desculpas após veterano nazista ucraniano homenageado no Parlamento

Os legisladores canadenses pareceram prestar uma homenagem comovente e oportuna a um “herói” de guerra de 98 anos que lutou pela independência da Ucrânia durante a Segunda Guerra Mundial. Mas rapidamente se descobriu que o homem fazia parte de uma notória facção nazi, o que gerou indignação com os aplausos que lhe foram dados na presença do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Yaroslav Hanka enxugou as lágrimas ao receber um apoio entusiasmado da Câmara dos Comuns do Canadá na sexta-feira. Ele foi apontado pelo presidente da Câmara, Anthony Rota, que o chamou de “herói” após um discurso do líder ucraniano visitante, que ergueu o punho durante os aplausos.

Mas Rota pediu desculpas no domingo, dizendo que “mais tarde obteve mais informações” sobre o passado de Hanka.

O nonagenário ucraniano lutou contra a União Soviética, mas como parte da 14ª Divisão de Granadeiros Waffen da SS, “uma unidade militar nazista cujos crimes contra a humanidade durante o Holocausto foram bem documentados”, segundo Amigos do Centro Simon Wiesenthal. O Grupo Canadense de Direitos Humanos promove a conscientização sobre o Holocausto e combate o anti-semitismo.

Yaroslav Hanka foi homenageado na Câmara dos Comuns em Ottawa, Ontário, na sexta-feira. Patrick Doyle/AB

Num comunicado no domingo, o Centro disse estar “profundamente entristecido” pelo reconhecimento de Hanka no Parlamento e “ainda mais enfurecido” pela ovação de pé que recebeu.

“É chocante que um veterano que serviu numa unidade militar nazi tenha sido convidado ao Parlamento e aplaudido de pé no Parlamento”, afirmou. A divisão de Hanka, também conhecida como Primeira Divisão Ucraniana, foi “responsável por assassinatos em massa de civis inocentes com brutalidade e malícia inimagináveis”.

Outro grupo de defesa baseado no Canadá, o Centro para Israel e Assuntos Judaicos, disse Estava “profundamente preocupado e perturbado”. Michael Mostyn, CEO da organização judaica de direitos humanos B’nai B’rith Canada; Chamado Convite e Saudação “Além do milagre.”

READ  Assassino de Nipsey Husley pega 60 anos de prisão perpétua

Rota, o presidente da Câmara dos Comuns, disse que foi o único responsável por convidar Hanka, que vive na área que representa, o que implica que nem Zelensky nem o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, sabiam.

“Quero pedir desculpas especialmente às comunidades judaicas no Canadá e em todo o mundo”, disse o porta-voz em comunicado. “Assumo total responsabilidade por minhas ações.”

Zelensky, que é judeu, disse que membros de sua família foram mortos durante o Holocausto. A NBC News entrou em contato com seu escritório para comentar.

O gabinete de Trudeau disse em comunicado que Rota pediu desculpas e aceitou total responsabilidade.

“Esta é a coisa certa a fazer”, disse o comunicado. “Nem o Gabinete do Primeiro-Ministro nem a delegação ucraniana receberam qualquer aviso prévio do convite ou autorização.”

Membros do Parlamento de todos os partidos, não apenas dos liberais de Trudeau, aplaudiram Hanka. Um porta-voz do Partido Conservador disse que o partido desconhecia sua história na época, informou a Associated Press.

Não foi possível contatar Hanka imediatamente para comentar, informou a AP.

Rússia aproveita o reconhecimento de “insurgência”

A questão dos nazis e da ideologia de extrema-direita é particularmente premente para a Ucrânia.

Uma das piores justificações que o presidente russo, Vladimir Putin, apresentou para invadir o seu antigo vizinho soviético é que ele quer “desnazificar” a Ucrânia, que ele diz ser governada por neonazistas controlados pelo Ocidente.

Há poucas evidências para esta afirmação. Mas as autoridades russas rapidamente apreenderam a braçadeira de Hanka como prova A extrema direita da Ucrânia e os seus apoiantes.

O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, chamou a cena de “ultrajante” e acusou os kantianos de “uma abordagem tão descuidada da memória” durante sua coletiva de imprensa diária na segunda-feira.

READ  Lucros da Goldman Sachs (GS) no 3º trimestre de 2023

“Uma nova geração cresceu no Canadá, ignorante do fascismo e dos crimes nazistas, e podemos ver o nazismo ressuscitado aqui e ali, como na Ucrânia”, disse ele.

O embaixador da Rússia no Canadá, Oleg Stepanov, disse que não foi por acaso que convidou ex-nazistas para o parlamento, chamando o governo canadense de “essencialmente a personificação do fascismo neoliberal”, segundo a agência de notícias russa RIA.

E o representante permanente da Rússia em Viena, Mikhail Ulyanov, classificou-o como um “dia vergonhoso para o Canadá”, informou a agência de notícias.

Tal como muitos países, incluindo a Rússia, a Ucrânia tem alguns elementos de extrema-direita. O Batalhão Azov, em particular, ligado à Guarda Nacional da Ucrânia, tem uma história de identidades e crenças de extrema direita e de supremacia branca.

O apoio também continua a figuras nacionalistas proeminentes da Segunda Guerra Mundial, como Stephen Bandera, que apesar de ser um colaborador nazista é reverenciado por muitos como um lutador pela liberdade contra os soviéticos.

Antes da Segunda Guerra Mundial, a Ucrânia fazia parte da União Soviética e milhões de ucranianos lutaram pelo Exército Vermelho contra a Alemanha nazista. Nesta altura, o país tinha uma das maiores comunidades judaicas da Europa – uma população há muito sujeita a perseguições e pogroms.

Quando o país foi invadido pelas forças alemãs em 1941, muitos nacionalistas ucranianos saudaram-nos como libertadores do jugo soviético, segundo o Yad Vashem, o Centro Mundial em Memória do Holocausto. “Muitos ucranianos e alguns prisioneiros de guerra juntaram-se voluntariamente às unidades auxiliares alemãs”, afirmou.

Esta cooperação estendeu-se ao “Massacre de Balas”: de acordo com o Holocausto dos Estados Unidos, 1,5 milhões de judeus ucranianos foram fuzilados perto das suas casas pelos alemães, juntamente com ucranianos e russos, em vez de serem deportados para campos. Museu Memorial.

READ  Crescimento do emprego nos EUA acelera apesar dos aumentos das taxas de juros

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *