Eleições na Rússia: urnas abertas com Putin certo de vencer

Eleitores foram às urnas na Rússia na sexta-feira Eleições presidenciais de três dias Uma extensão do mandato de seis anos foi confirmada depois que ele anulou a oposição do presidente Vladimir Putin.

Uma eleição de fundo ocorre Opressão impiedosa Aquilo é Mídia independente paralisada E Principais grupos de direitos Deu a Putin o controlo total do sistema político.

Também vem como Moscou Guerra na Ucrânia Entrando no terceiro ano. A Rússia tem vantagem no campo de batalha, onde obtém ganhos pequenos, embora lentos. A Ucrânia, entretanto, fez com que Moscovo parecesse vulnerável atrás das linhas da frente: ataques de drones de longo alcance atingiram profundamente a Rússia, enquanto drones de alta tecnologia colocaram a sua frota do Mar Negro na defensiva.

Os eleitores votaram de sexta a domingo em assembleias de voto em 11 fusos horários em todo o vasto país e regiões ilegalmente anexadas da Ucrânia. Os russos também podem votar online, a primeira vez que esta opção foi utilizada numa corrida presidencial; Autoridades disseram que mais de 200 mil pessoas em Moscou votaram online assim que a votação começou.

Eleição Mantém pouco suspense Putin, de 71 anos, concorre praticamente incontestado ao seu quinto mandato. Os seus adversários políticos estão presos ou exilados no estrangeiro, entre eles o mais feroz, Alexei Navalny. Morreu em uma remota colônia penal do Ártico Mês passado. Os outros três candidatos nas urnas são políticos de baixo escalão de partidos simbólicos da oposição alinhados com o Kremlin.

O líder da oposição russa Alexei Navalny é visto por videoconferência em um tribunal em Moscou em 18 de outubro de 2022. (Foto AP, arquivo)

ARQUIVO – Trabalhadores carregam o caixão e o retrato do líder da oposição russa Alexei Navalny de uma igreja em Moscou em 1º de março de 2024.  Os eleitores vão às urnas na Rússia para uma eleição presidencial de três dias que certamente irá esticar a presidência.  Governe depois que Vladimir Putin suprimiu a dissidência.  Os seus adversários políticos estão na prisão ou no exílio no estrangeiro, o mais brutal dos quais, Navalny, morreu recentemente numa remota colónia penal do Árctico.  (Foto AP, arquivo)

Trabalhadores carregam o caixão e o retrato do líder da oposição russa Alexei Navalny de uma igreja em Moscou, em 1º de março de 2024. (Foto AP, arquivo)

O público não esperava que a eleição fosse livre e justa. Para além do facto de os eleitores terem pouca escolha, as possibilidades de monitorização independente são muito limitadas.

READ  Tony Bennett, cantor jazzístico do American Songbook, morre aos 96 anos

Apenas os candidatos registados ou os órgãos consultivos apoiados pelo Estado podem nomear observadores para as assembleias de voto, reduzindo a possibilidade de grupos de monitorização independentes. Com mais de três dias de votação em 100.000 assembleias de voto no país, a monitorização real é, de qualquer forma, difícil.

“As eleições na Rússia como um todo são uma farsa. O Kremlin controla quem está nas urnas. O Kremlin controla como eles podem fazer campanha. Isso não quer dizer que não possam controlar todos os aspectos do processo de votação e contagem de votos”, disse Sam Green. , disse o diretor de resiliência da democracia do Centro de Análise de Política Europeia em Washington.

A Ucrânia e o Ocidente condenaram a Rússia por realizar o referendo nas regiões ucranianas capturadas e ocupadas pelas forças de Moscovo.

Em muitos aspectos, a Ucrânia está no centro destas eleições, dizem analistas políticos e figuras da oposição. Dizem que Putin quer usar a sua vitória eleitoral absolutamente certa como prova de que a guerra e a forma como a tratou estão a ganhar apoio generalizado. Entretanto, a oposição espera usar a votação para mostrar o seu descontentamento tanto com a guerra como com o Kremlin.

O Kremlin Baniu dois políticos Tentar seguir uma agenda anti-guerra que atraia apoio real – embora não esmagador – custaria aos eleitores “qualquer escolha sobre uma questão chave na agenda política da Rússia”, disse o analista político Abbas Kalyamov. Redator de discursos de Putin.

Um estudante da Universidade Estadual Marítima em homenagem ao almirante Gennady Nevelskoy viajou 6.418 km do local de votação durante as eleições presidenciais na cidade portuária de Vladivostok, no Pacífico.  (3.566 milhas) a leste de Moscou, Rússia, sexta-feira, 15 de março de 2024. Eleitores na Rússia vão às urnas para uma eleição presidencial que parece destinada a estender o governo do presidente Vladimir Putin após conter o descontentamento.  (Foto AP)

Um estudante sai de uma seção eleitoral durante as eleições presidenciais em Vladivostok, Rússia, em 15 de março de 2024. (Foto AP)

Eleitores esperam para receber suas cédulas em um local de votação durante as eleições presidenciais, a 6.418 km de distância, na cidade portuária de Vladivostok, no Pacífico.  (3.566 milhas) a leste de Moscou, Rússia, sexta-feira, 15 de março de 2024. Eleitores na Rússia vão às urnas para uma eleição presidencial que parece destinada a estender o governo do presidente Vladimir Putin após conter o descontentamento.  (Foto AP)

Eleitores esperam para votar em uma seção eleitoral durante a eleição presidencial em Vladivostok, Rússia, em 15 de março de 2024. (Foto AP)

A oposição dispersa da Rússia instou aqueles que estão descontentes com Putin ou com a guerra a comparecerem às urnas ao meio-dia de domingo, último dia de votação. Esta estratégia foi endossada por Navalny pouco antes da sua morte.

READ  Conflito no Sudão: anunciada a primeira evacuação de estrangeiros retidos no Sudão

“Nós existimos, somos muitos, somos pessoas reais, vivas, reais e precisamos usar o dia da eleição para mostrar que somos contra Putin. … O que fazer a seguir depende de você. Você pode votar em qualquer um. candidato que não seja Putin. Você pode destruir sua cédula”, disse ele. Sua viúva Yulia Navalnaya disse.

Não está claro até que ponto esta estratégia funcionará.

Numa declaração esta semana, Golos, o principal grupo independente de monitorização eleitoral da Rússia, disse que as autoridades estavam “a fazer tudo para evitar que as pessoas prestassem atenção ao facto de as eleições estarem a decorrer”.

O órgão de fiscalização descreveu a campanha pré-referendo como “praticamente imperceptível” e “extremamente vazia”.

ARQUIVO - O presidente russo, Vladimir Putin, reúne-se com residentes após uma visita ao complexo de estufas Solnekhniy Dar, nos arredores de Stavropol, Rússia, em 5 de março de 2024.  Os eleitores vão às urnas na Rússia para uma eleição presidencial de três dias.  Estender o governo de Putin após suprimir a dissidência.  (AP, arquivo via Mikhail Metzel, Sputnik, Kremlin Pool Photo)

O presidente russo, Vladimir Putin, reúne-se com residentes após uma visita ao complexo de estufas Solnekhniy Dar, nos arredores de Stavropol, Rússia, em 5 de março de 2024.

O relatório afirma que a campanha de Putin permaneceu oculta nos procedimentos presidenciais, enquanto os outros candidatos estavam “provavelmente inativos”.

Segundo Golos, a mídia estatal dedicou menos tempo às eleições do que em 2018, quando Putin foi eleito pela última vez. Em vez de encorajar a votação para garantir a participação desejada, as autoridades parecem estar a pressionar os eleitores que podem controlar – por exemplo, os russos que trabalham em empresas ou instituições estatais – a comparecerem às urnas, disse o grupo.

Estudantes da Universidade Estadual Marítima em homenagem ao almirante Gennady Nevelsky votaram em uma seção eleitoral durante as eleições presidenciais na cidade portuária de Vladivostok, no Pacífico, a 6.418 km de distância.  (3.566 milhas) a leste de Moscou, Rússia, sexta-feira, 15 de março de 2024. Eleitores na Rússia vão às urnas para uma eleição presidencial que parece destinada a estender o governo do presidente Vladimir Putin após conter o descontentamento.  (Foto AP)

Estudantes participam da votação em uma seção eleitoral durante as eleições presidenciais de 15 de março de 2024 em Vladivostok, Rússia. (Foto AP)

Uma mulher sai de um local de votação na Escola Naval do Pacífico durante a eleição presidencial na cidade portuária de Vladivostok, no Pacífico, a leste de Moscou, Rússia, sexta-feira, 15 de março de 2024.  Os eleitores vão às urnas na Rússia.  A eleição presidencial certamente ampliará o governo do presidente Vladimir Putin depois de reprimir a dissidência.  (Foto AP)

Uma mulher sai de uma seção eleitoral durante as eleições presidenciais em Vladivostok, Rússia, em 15 de março de 2024. (Foto AP)

O grupo de vigilância também tem estado atolado na repressão: o seu co-presidente, Grigory Melkoniandes, permanece na prisão aguardando julgamento por acusações amplamente vistas como uma tentativa de pressionar o grupo antes das eleições.

READ  NBA Play-in: Heat avança para um início de fogo para vencer o Bulls por 112-91, avança para a revanche dos playoffs com o Celtics

“As eleições actuais não podem reflectir o verdadeiro estado de espírito do povo”, disse Kolos no comunicado. “A distância entre os cidadãos e a tomada de decisões sobre o destino do país tornou-se maior do que nunca.”

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre as eleições na Rússia: https://apnews.com/hub/russia-election

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *