Antony Blinken visitou Pequim em um esforço para consertar as relações fraturadas EUA-China

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, está em Pequim em uma missão muito esperada para reiniciar as relações EUA-China, que azedaram este ano depois que um balão espião chinês supostamente sobrevoou a América do Norte.

Blinken será o primeiro secretário de Estado a visitar a China desde 2018, um reflexo dos severos bloqueios da pandemia de coronavírus em Pequim, mas também de como as relações EUA-China caíram para o ponto mais baixo em décadas.

Sua viagem segue uma reunião entre o presidente Joe Biden e seu colega chinês Xi Jinping em Bali em novembro, quando os líderes concordaram com a necessidade de construir uma “plataforma” sob o relacionamento. Mas o plano foi frustrado em fevereiro, quando Blinken cancelou uma viagem à China por causa do balão.

As relações têm estado em uma trajetória descendente nos últimos anos. Os EUA estão preocupados com a recusa da China em condenar a Rússia por sua ação militar em torno de Taiwan e sua agressão na Ucrânia, enquanto Pequim acusa Washington de tentar conter suas ambições impondo restrições à exportação de tecnologia avançada e expandindo acordos de defesa com aliados regionais.

O relacionamento atingiu o auge depois que um balão espião chinês sobrevoou bases militares importantes antes que os EUA o derrubassem em fevereiro.

No mês passado, houve sinais de melhora. O Financial Times informou que o diretor da CIA, Bill Burns, fez uma visita secreta à China em maio. Nesse mesmo mês, o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jack Sullivan, reuniu-se com Wang Yi, o principal funcionário da política externa da China, em Viena. Biden disse mais tarde no G7 em Hiroshima, no Japão, que esperava uma “debulha” imediata nas relações.

READ  A confusão reina na sexta-feira com monitores de voo, relatórios conflitantes

Um alto funcionário dos EUA disse que as relações agora estão “em um ponto em que podemos avançar com a agenda de Bali”.

“É disso que se trata esta viagem”, disse o funcionário, que alertou que seria “difícil” para Blinken progredir com “uma visão muito clara”.

“Esta viagem é uma reconexão, não um impedimento. Deve evitar uma deterioração das relações e encontrar uma base para a estabilidade”, disse Ivan Medeiros, especialista da Universidade de Georgetown, na China. “Ambos os países querem que a reunião não corra mal, mas é muito cedo para falar em sucesso.”

Daniel Grittenbrink, o principal funcionário do Departamento de Estado para o Leste Asiático, disse que Blinken tem três objetivos, incluindo a necessidade de canais de comunicação para garantir que a competição seja “livre de conflitos”.

Dennis Wilder, um ex-especialista da CIA na China, disse que a visita encerraria um período de “profunda raiva”, mas faria pouco para lidar com a “desconfiança fundamental”.

“Os chineses estão confusos com o adiamento da visita do secretário Blinken no início deste ano e sua advertência pública a Pequim na Conferência de Segurança de Munique. [in February] Sobre possível assistência de morte chinesa para a Rússia”, disse ele.

Blinken realizará dois dias de reuniões com o ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, e outras autoridades. Não ficou claro se ele se encontraria com Xi, a quem planejava visitar em fevereiro.

Wilder disse que a recusa de Xi em se encontrar com Blinken seria um “forte sinal” de que Pequim está preocupada com as ações dos EUA que “não colocam em risco” a economia da China, inclusive restringindo o desenvolvimento tecnológico avançado deste último.

READ  Clima severo do Memorial Day: poderosas tempestades nos EUA seguem para o leste após matar 20

Um estudioso chinês disse que a viagem de Blinken só seria bem-sucedida se ele conhecesse Xi, acrescentando que ver apenas Qin ou Wang, que não são secretários de Relações Exteriores nos EUA, seria uma “desconsideração”.

Embora as autoridades americanas tenham dito que já passou tempo suficiente desde o incidente do balão para retomar as reuniões de alto nível, ainda paira sobre o relacionamento.

O Financial Times informou anteriormente que a China estava relutante em visitar Blinken por causa de preocupações de que o FBI divulgaria os resultados de uma investigação sobre o balão, que a China diz ser um navio de observação meteorológica. Em uma carta citando a história do FT, 19 senadores republicanos instaram Biden esta semana a não ceder aos esforços chineses de “empurrar a América para a paz” e a divulgar “imediatamente” as conclusões do FBI.

Raja Krishnamurthy, o principal democrata no Comitê da Câmara da China, disse que revisou parte do material do FBI relacionado ao balão, que ele chamou de “revelador”.

“Para eles [China] Chame de balão meteorológico. . . Não é uma ótima aparência”, acrescentou.

Questionado no sábado se a viagem ajudaria a aliviar as tensões, Biden disse que não sabia o que o balão estava fazendo. “Foi mais embaraçoso do que intencional”, disse Biden, acrescentando que esperava se encontrar com Xi “nos próximos meses”.

Mike Gallagher, o presidente republicano do Comitê da China da Câmara, disse ao Financial Times que os comentários do presidente eram “ingênuos e enganosos”.

“Não podemos confundir as recentes violações do Partido Comunista Chinês de nossa soberania e o aumento da agressão como um mero acidente”, disse ele.

Alguns analistas disseram que a China pode querer uma “pausa tática” nas tensões para conter sua economia vacilante, enquanto luta para se recuperar das rígidas restrições da Covid.

READ  Um importante republicano alerta que a campanha da Rússia está sendo ecoada por membros de seu partido

As medidas chinesas para endurecer as sanções de exportação dos EUA e as leis antiespionagem, bem como uma repressão ao aconselhamento estrangeiro, prejudicaram o sentimento dos investidores.

Mas, em um alerta para aqueles que esperam um degelo iminente, o Ministério das Relações Exteriores da China criticou os EUA na sexta-feira, acusando Washington de continuar buscando “conexões” enquanto “prejudica os interesses da China”.

Em Washington, o governo Biden também enfrenta críticas dos republicanos, que descreveram os esforços de reconciliação com Pequim como “engajamento zumbi”. Esta semana, ele disse à CNBC que estender a mão à China com ramos de oliveira para estimular o engajamento é “um apelo à agressão”.

Mas Krishnamurthy, seu colega democrata, disse que as reuniões de alto nível ajudariam a estabilizar os laços e deixar claro como o comportamento agressivo de Pequim “desencadearia uma escalada”.

“Mike pode gostar de filmes de zumbis. . . Mas é fundamental que tenhamos essas conversas, que sejamos claros e, ao mesmo tempo, ouçamos com atenção e tentemos encontrar maneiras de desencorajar a agressão.

Siga junto Demétrio de Sebastopol no Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *