A Cimeira do G20 termina em Nova Deli; Modi convocou uma reunião virtual em novembro

  • Desenvolvimentos recentes:
  • O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que a declaração do G20 não foi uma vitória diplomática para a Rússia
  • Macron diz que a Rússia está isolada da cimeira
  • O primeiro-ministro do Japão diz que a agressão da Rússia contra a Ucrânia pode abalar os próprios alicerces do G20

NOVA DÉLHI (Reuters) – A cúpula do G20 em Nova Délhi terminou neste domingo, com a Índia entregando a presidência do bloco ao Brasil, enquanto os Estados Unidos e a Rússia saudaram um consenso para não condenar Moscou pela guerra na Ucrânia. Os membros devem abster-se de usar a força.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, pediu aos líderes do grupo que realizassem uma reunião virtual em novembro para analisar o progresso nas recomendações políticas e metas anunciadas no fim de semana.

“É nossa responsabilidade analisar as recomendações propostas para ver como podemos acelerar o progresso”, disse ele num comunicado.

No sábado, o grupo adoptou uma declaração dos líderes que não chegou a condenar a Rússia pela guerra, mas destacou o sofrimento humano que o conflito causou e apelou a todos os Estados para não usarem a força para tomar território.

O consenso foi surpreendente. Nas semanas que antecederam a cimeira, opiniões fortemente divergentes sobre a guerra ameaçaram inviabilizar o encontro com o Ocidente, com os membros a exigirem que Moscovo convidasse a invasão e a Rússia a dizer que bloquearia qualquer resolução que não reflectisse a sua posição.

O ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, chefe da delegação russa, disse que a cúpula foi uma vitória para a Índia e para os países em desenvolvimento do mundo, o Sul Global.

Ele disse numa conferência de imprensa que a posição do Sul Global nas negociações ajudou a evitar que a agenda do G20 fosse ofuscada pela Ucrânia. “A Índia integrou verdadeiramente os membros do G20 do Sul Global.”

READ  Muitos sistemas de saúde recuperam necessidades - NBC Chicago

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jack Sullivan, disse aos repórteres que a declaração da cimeira “faz um excelente trabalho ao defender o princípio de que os estados não podem usar a força para adquirir território ou violar a integridade territorial e a soberania ou a independência política de outros estados”.

A Alemanha e a Grã-Bretanha também elogiaram a resolução, mas a Ucrânia disse que “não há nada para se orgulhar”.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse no domingo que o G20, criado para lidar com questões económicas internacionais, não espera necessariamente um avanço diplomático na guerra da Ucrânia.

No entanto, disse numa conferência de imprensa que a declaração do G20 não foi uma vitória diplomática para a Rússia, o que a isolou da cimeira.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse que a agressão da Rússia contra a Ucrânia poderia abalar os próprios alicerces do G20.

Andar descalço

A cimeira também admitiu a União Africana, composta por 55 Estados-membros, como membro permanente do G20, sublinhando a representação do grupo no Sul Global.

Lavrov também disse que se as exigências da Rússia forem atendidas, a Rússia retornará ao acordo do Mar Negro que permite à Ucrânia exportar grãos. Moscovo retirou-se do acordo em Julho, depois de não ter conseguido cumprir as suas exigências de implementar um acordo paralelo para flexibilizar as regras sobre as suas próprias exportações de alimentos e fertilizantes.

O documento da cimeira apelou a importações seguras de cereais, alimentos e fertilizantes tanto da Ucrânia como da Rússia.

No domingo, líderes como o presidente dos EUA Joe Biden, o alemão Olaf Scholz, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak, o presidente francês Emmanuel Macron e o japonês Fumio Kishida visitaram o memorial do herói da liberdade da Índia, Mahatma Gandhi.

READ  Ascensão da Índia, crise da Rússia: como o dinheiro está moldando uma nova corrida espacial

Após o assassinato de Gandhi por um extremista hindu em 1948, a maioria dos líderes estava descalço quando caminharam até o local de cremação.

Biden viajou então para o Vietname e faltou à última sessão da cimeira. A Casa Branca disse não ter conhecimento de quaisquer conversas que ele manteve com Lavrov ou com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang.

Tanto o presidente chinês Xi Jinping como o russo Vladimir Putin boicotaram a cimeira.

“Esta é uma das cimeiras do G20 mais difíceis nos quase vinte anos de história do fórum… Demorou quase 20 dias para chegar a acordo sobre a declaração antes da cimeira, e cinco dias aqui”, disse a veterana russa Svetlana Lukash. O negociador do governo do G20 foi citado pela agência de notícias russa Interfax.

“Isto não se deve apenas a algumas divergências sobre a questão da Ucrânia, mas também a diferenças em todas as questões importantes, principalmente nas alterações climáticas e na transição para sistemas energéticos de baixo carbono…”

Um funcionário da UE, que não quis ser identificado, disse no domingo que a guerra na Ucrânia era a questão mais controversa nas negociações.

“Isso não teria sido possível sem a liderança da Índia”, disse o responsável, acrescentando que o Brasil e a África do Sul desempenharam um papel fundamental na redução da lacuna.

2022 A invasão da Ucrânia pela Rússia mata dezenas de milhares, desloca milhões e semeia turbulência económica em todo o mundo. Moscou, que afirma estar conduzindo uma “operação militar especial” no local, nega qualquer atrocidade.

Reportagem adicional de Krishnan Kaushik; Escrito por Sanjeev Miklani e Raju Gopalakrishnan; Edição de Jacqueline Wong e Kim Coggle

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *