Yevgeny Prigozhin, líder do Grupo Wagner, supostamente partiu para a Bielo-Rússia quando as tropas russas deixaram a capital.

A Uma rebelião de curta duração por uma força mercenária russa amotinada O comandante acabou quebrando a retirada de suas tropas, mas com um desafio extraordinário Presidente Vladimir PutinDuas décadas no poder podem ter consequências de longo prazo para seu governo e a guerra na Ucrânia.

como O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse: “Enfrente a nação“Domingo de manhã, a situação atual na Rússia é uma ‘história de saída’.

“Não vimos o último ato”, disse Blinken. “Estamos olhando para isso com muita atenção e cuidado, mas volte atrás por um segundo e coloque isso no contexto.”

Domingo de manhã, Evgeny Prigozhin, chefe do grupo mercenário Wagner, estava programado para partir para a Bielo-Rússia sob um acordo fechado com o Kremlin. Como parte do acordo, as tropas de Wagner seriam perdoadas e as acusações criminais contra Prigogine seriam retiradas.

Blinken disse em “Face the Nation” que não poderia ir ao local atual de Prigogine, mas disse que eles estavam “monitorando” por meio da inteligência.

Moradores aplaudem soldados da companhia militar Wagner Group enquanto se preparam para deixar parte do quartel-general do Distrito Militar do Sul na rua em Rostov-on-Don, Rússia, sábado, 24 de junho de 2023.

/AB


As tropas de Wagner deixaram Rostov no domingo, um importante posto militar russo que haviam capturado.

Na tarde de domingo, as tropas se retiraram da capital e as pessoas se alinharam nas ruas e se aglomeraram em hotéis. O tráfego voltou ao normal e os bloqueios de estradas e postos de controle foram removidos, mas a Praça Vermelha permaneceu perto dos espectadores. Nas rodovias que levam a Moscou, os trabalhadores consertaram as estradas horas antes em pânico.

Em um discurso televisionado no sábado, Putin pediu união e acusou Prigozh de traição sem nomeá-lo.

A imagem de Putin como um líder duro já estava seriamente danificada guerra da ucrania, que se arrastou por 16 meses e exigiu um grande número de tropas russas. A marcha de sábado sobre Moscou, liderada por Prigozhin, seu antigo protegido, expôs outras fraquezas, disseram analistas.

Algumas das melhores forças lutando pela Rússia na Ucrânia foram expulsas do campo de batalha: as próprias tropas Wagner de Prigozhin e as forças chechenas foram enviadas para interceptá-los.

Então eles avançaram sem impedimentos em grande escala em direção a Moscou. A mídia russa informou que abateu vários helicópteros e um avião de comunicações militar. O Ministério da Defesa não comentou.

Eles foram interrompidos apenas por um acordo para enviar Prigozhin para a vizinha Bielo-Rússia, que apoiou a invasão russa da Ucrânia. De acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, as acusações contra ele por rebelião armada serão retiradas, e Prigozhin ordenou que suas tropas voltassem para seus acampamentos.

O governo disse que não processaria os combatentes de Wagner que participaram e que aqueles que não participassem seriam contratados pelo Ministério da Defesa.

Embora Putin já tivesse prometido punir aqueles por trás do levante armado, Peskov apoiou a reversão, dizendo que o “objetivo maior” de Putin era “evitar um conflito sangrento e interno com resultados imprevisíveis”.

Essa anistia contrasta com as multas e sentenças de prisão que as autoridades russas aplicaram a milhares de pessoas que criticaram a guerra.

Embora isso possa acabar com a crise imediata, pode colocar em movimento um movimento de longo prazo, disseram analistas e observadores.

“Para uma ditadura construída sobre a ideia de poder incontestável, é uma pena, e é difícil ver o gênio do ceticismo sendo colocado de volta na garrafa”, disse Phillips O’Brien, professor de estudos estratégicos da universidade. . St Andrews na Escócia. “Então, se Prigozhin é um perdedor de curto prazo, Putin provavelmente será um perdedor de longo prazo.”

Blinken observou em “Meet the Press” que o desafio a Putin veio de dentro.

“Acho que vimos mais rachaduras aparecerem na fachada russa”, disse ele no programa “Meet the Press” da NBC. “Temos todos os tipos de novas questões que Putin terá de abordar nas próximas semanas e meses.”

Prigozhin, que enviou uma série de atualizações de áudio e vídeo durante sua agitação, ficou em silêncio desde que o Kremlin anunciou o acordo.

Não está claro se ele ainda está na Bielo-Rússia ou se alguma de suas tropas de Wagner o seguirá.

Em resposta às perguntas da Associated Press, a assessoria de imprensa de Prigozhin disse que ele não poderia responder imediatamente, mas “responderia às perguntas mediante contato normal”.

Um vídeo feito pela Associated Press em Rostov-on-Don mostrou pessoas aplaudindo as tropas de Wagner quando elas partiram. Alguns correram para apertar a mão de Prigozhin, que estava em um SUV.

O governador regional disse que todas as tropas deixaram a cidade desde então. Agências de notícias russas informaram que autoridades de Lipetsk confirmaram que as forças de Wagner haviam se retirado da área, que fica na estrada de Rostov a Moscou.

Moscou confirmou a chegada das forças estabelecendo postos de controle com veículos blindados e tropas no extremo sul da cidade. A televisão estatal na Chechênia informou que cerca de 3.000 soldados chechenos foram arrastados para a Ucrânia sem luta e levados para lá na manhã de sábado. Tropas russas armadas com metralhadoras montaram postos de controle na periferia sul de Moscou. As equipes cavaram trechos de rodovias para desacelerar a marcha.

Locutores em estações de televisão controladas pelo governo apresentam a crise como uma demonstração da sabedoria de Putin e transmitem imagens das tropas de Wagner se retirando de Rostov-on-Don.

Pessoas de lá, entrevistadas pelo Canal 1, elogiaram o papel de Putin.

Mas o Instituto de Pesquisa de Guerra, com sede nos Estados Unidos, alertou que “o Kremlin agora enfrenta um equilíbrio profundamente instável”.

“Este acordo é uma solução de curto prazo, não de longo prazo”, escreveu a agência, que monitora a guerra na Ucrânia desde o início.

Prigozhin pediu a demissão do ministro da Defesa, Sergei Shoigu, um crítico de longa data da guerra de Prigozhin na Ucrânia.

Os EUA tinham informações de que Prigozhin vinha acumulando suas forças perto da fronteira com a Rússia há algum tempo. Isso contradiz a afirmação de Prigozhin de que sua rebelião foi uma resposta ao ataque militar russo a seus acampamentos na Ucrânia na sexta-feira.

Ao anunciar a rebelião, Prigozhin acusou as forças russas de atacar os campos de Wagner na Ucrânia com foguetes, helicópteros e artilharia. General do Estado-Maior General Valery Gerasimov ordenou os ataques após uma reunião com Shoigu na qual ele alegou que eles decidiram destruir o empreiteiro militar.

O Ministério da Defesa negou que os campos tenham sido atacados.

Os líderes do Congresso informaram Wagner sobre a criação no início da semana passada, disse uma pessoa familiarizada com o assunto. O homem não estava autorizado a falar publicamente e falou à Associated Press sob condição de anonimato. O briefing de inteligência dos EUA foi relatado pela primeira vez pela CNN.

Uma possível motivação para a rebelião de Prigozhin foi uma exigência do Ministério da Defesa russo, apoiado por Putin, de que empresas privadas assinassem contratos com ele até 1º de julho. Prigogine se recusou a fazê-lo.

Os ucranianos esperavam que as lutas internas russas criassem uma oportunidade para seus militares retomarem o território capturado pelas forças russas.

“Esses eventos teriam sido de grande conforto para o governo e os militares ucranianos”, disse Ben Barry, membro sênior de guerra terrestre do Instituto de Estudos Estratégicos Internacionais.

As tropas de Wagner desempenharam um papel importante na guerra na Ucrânia, capturando a cidade oriental de Bagmut, uma área onde ocorreram as batalhas mais sangrentas e longas.

A anistia do Kremlin para Prigozhin foi negociada pelo presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, o que pode ter aumentado seu status em seu relacionamento com Putin.

Prigozhin, 62, um ex-presidiário, tinha laços de longa data com Putin e ganhou contratos lucrativos de serviços de bufê no Kremlin, o que lhe valeu o apelido de “chef de Putin”.

Wagner enviou empreiteiros militares para a Líbia, Síria e vários países africanos, bem como a Ucrânia.

READ  Atrasos e cancelamentos persistem se os viajantes acamparem no aeroporto de Newark

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *