UE adverte contra ação unilateral após Polônia e Hungria proibirem grãos ucranianos

VARSÓVIA, 16 Abr (Reuters) – Uma ação unilateral no comércio por parte dos Estados membros da UE é inaceitável depois que a Polônia e a Hungria impuseram uma proibição de importação de grãos e outros alimentos da Ucrânia para proteger o setor agrícola local, disse um porta-voz da Comissão Europeia neste domingo.

Depois que a invasão da Rússia bloqueou alguns portos do Mar Negro, grandes quantidades de grãos ucranianos, mais baratos do que os produzidos na UE, permaneceram nos estados da Europa Central, pois os gargalos logísticos atingiram os preços e as vendas para os agricultores locais.

A questão criou um problema político para o partido nacionalista Lei e Justiça (PiS) da Polônia em um ano eleitoral, já que irritou as pessoas em áreas rurais onde o apoio ao PiS costuma ser alto.

“Estamos cientes dos anúncios da Polônia e da Hungria sobre a proibição das importações de grãos e outros produtos agrícolas da Ucrânia”, disse o porta-voz em comunicado por e-mail. “Neste contexto, é importante sublinhar que a política comercial é uma competência exclusiva da UE e, por isso, não serão aceites medidas unilaterais.”

“Em tempos tão desafiadores, é crucial coordenar e alinhar todas as decisões dentro da UE”, acrescentou o comunicado.

A Polônia e a Hungria têm conflitos de longa data com Bruxelas sobre questões como independência judicial, liberdade de mídia e direitos LGBT, e ambos retiveram o financiamento devido a preocupações com o estado de direito.

Enquanto isso, o ministro da Agricultura da Bulgária, Yavor Kechev, disse que o país está considerando proibir as importações de grãos ucranianos, informou a agência local BTA no domingo.

Transporte

A proibição polonesa, que entrou em vigor na noite de sábado, também se aplica ao transporte desses produtos em todo o país, disse o ministro do Desenvolvimento e Tecnologia no domingo.

“O embargo é total, incluindo a proibição de trânsito pela Polónia”, escreveu Waldemar Buda no Twitter, acrescentando que as negociações com o lado ucraniano vão ser realizadas para criar um sistema que assegure a entrega de mercadorias apenas através da Polónia e não termine em o lado local. mercado.

O Ministério de Política Agrícola e Alimentos da Ucrânia disse no sábado que a proibição polonesa contradiz os acordos bilaterais existentes sobre exportações e pediu negociações para resolver o problema.

A agência de notícias Ukrinform, estatal da Ucrânia, disse que os ministros ucraniano e polonês devem se reunir na Polônia na segunda-feira e se concentrarão em negociações sobre acordos de transporte.

O ministro da Agricultura da Polônia, Robert Delus, disse no domingo: “Esta proibição é necessária para abrir os olhos da UE, permitindo que produtos da Ucrânia entrem na Europa e não fiquem na Polônia”.

A Ucrânia exporta a maior parte de seus produtos agrícolas, principalmente grãos, por meio de portos do Mar Negro que foram levantados em julho sob um acordo entre Ucrânia, Turquia, Rússia e as Nações Unidas.

Esse acordo expira em 18 de maio e Moscou indicou na semana passada que não seria prorrogado a menos que o Ocidente suspendesse as sanções às exportações russas de grãos e fertilizantes.

De acordo com o ministério ucraniano, cerca de 3 milhões de toneladas de grãos saem da Ucrânia todos os meses pela rota de grãos do Mar Negro.

Entre 500.000 e 700.000 toneladas de vários produtos agrícolas atravessam a fronteira polonesa todos os meses, incluindo grãos, óleo vegetal, açúcar, ovos, carne e outros produtos, disse o ministro da Agricultura da Ucrânia, Mykola Solsky, no fim de semana.

READ  Alonso vê a vitória no GP de Mônaco enquanto tenta explorar as largadas 'erráticas' de Verstappen

Relatórios de Alan Charlish; Edição por Sharon Singleton

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *