Trump recebe fiança de US$ 175 milhões em caso de fraude civil em Nova York

Na semana passada, um tribunal de apelações reduziu a fiança que ele teve de pagar.

O ex-presidente Donald Trump e seus co-réus receberam uma fiança de US$ 175 milhões em seu caso de fraude civil em Nova York, de acordo com documentos judiciais.

Trump obteve o título através da Knight Specialty Insurance Company.

“Conforme prometido, o presidente Trump pagou a fiança”, disse sua advogada, Alina Hubba, em comunicado na noite de segunda-feira. “Ele espera reivindicar seus direitos em recurso e anular esta decisão injusta”.

Um funcionário do gabinete do procurador-geral de Nova York se recusou a comentar à ABC News.

Na semana passada, um painel de juízes da Divisão de Apelação de Nova Iorque concedeu ao ex-presidente, aos seus filhos adultos e a dois ex-executivos da Organização Trump uma suspensão de 10 dias no seu veredicto de fraude civil de 464 milhões de dólares e permitiu-lhes apresentar fianças reduzidas. US$ 175 milhões.

Os advogados de Trump argumentaram que o ex-presidente não tinha dinheiro para garantir uma fiança integral depois de ter sido rejeitado por mais de 30 empresas de títulos.

Os advogados de defesa argumentaram que, sem a intervenção do tribunal de apelações, Trump seria irreparavelmente prejudicado ao ter que vender ativos com seu nome antes de esgotar o recurso da condenação por fraude.

Em Fevereiro, após um julgamento de três meses, o juiz Arthur Engoren multou Trump e os seus co-réus depois de descobrir que se envolveram numa fraude empresarial que durou uma década, ao inflacionarem falsamente o património líquido do antigo presidente para obter melhores empréstimos e negócios.

READ  Ações caem após relatório de emprego desafiar expectativas

“As fraudes encontradas aqui saltam das páginas e chocam a consciência”, escreveu Engoren.

Trump negou qualquer irregularidade e os seus advogados recorreram do veredicto, argumentando que o montante da isenção é inconstitucional, desproporcional e falho. Os advogados de defesa argumentam que o juiz Engoron aplicou mal o estatuto de limitações à conduta de Trump e que a procuradora-geral de Nova Iorque, Letitia James, não conseguiu provar que as declarações falsas de Trump eram relevantes para os credores do ex-presidente.

“Na ausência de ‘deturpações’, não há provas, nem nenhuma conclusão por parte do Supremo Tribunal, de que os credores e seguradoras envolvidos não teriam oferecido empréstimos e apólices aos réus nas mesmas condições”, disseram os advogados num documento de Março.

Se o seu recurso falhar, o ex-presidente e os seus co-réus ficarão sujeitos a toda a sentença de 464 milhões de dólares.

Trump não tem dinheiro para cobrir toda a sentença e se o seu recurso falhar, James pode executar a sentença confiscando os bens de Trump.

“Se ele não tiver fundos para pagar a sentença, procuraremos mecanismos de execução no tribunal e pediremos ao juiz que confisque os seus bens”, disse James numa entrevista recente à ABC News. “Estamos prontos para garantir que a justiça seja feita aos nova-iorquinos”.

Escritor E sobre Trump Num processo por difamação movido por Jean Carroll, Trump recebeu uma fiança de 92 milhões de dólares da companhia de seguros Chubb depois de um júri o ter considerado culpado de difamação em Janeiro. Trump, que negou todas as irregularidades, entrou com um recurso de apelação no caso.

O ex-presidente usou uma conta de corretora como garantia do título.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *