Força Aérea descobre suspeito de vazamento que Jack Teixeira agiu sozinho, disciplina 15 por abandono do dever

A Força Aérea dos EUA descobriu que o guarda aéreo nacional de Massachusetts, Jack Teixeira, agiu sozinho no suposto vazamento de documentos confidenciais, mas disse que houve fatores que o levaram a fazê-lo e disciplinou 15 funcionários por “abandono do dever”.

Os resultados de uma investigação do inspector-geral da Força Aérea, divulgados na segunda-feira, concluíram que a unidade de Teixeira “não tomou as medidas adequadas depois de tomar conhecimento das suas actividades de busca de informações”, mas não encontrou provas de que a sua cadeia de custódia “sabia” das fugas.

O estudo concluiu que factores indirectos, como a falta de inspecção adequada das áreas sob comando, orientações inconsistentes sobre a notificação de incidentes de segurança, definições inconsistentes do conceito de “necessidade de saber” e a falta de monitorização e supervisão das actividades do turno nocturno permitiram fugas.

Jack Teixeira.Através do Facebook

O jovem de 21 anos é suspeito de vazar documentos confidenciais do Pentágono no Discord, um site de mídia social usado principalmente por jogadores online.

Ele foi indiciado por seis acusações federais de retenção e transmissão intencional de informações de segurança nacional e se declarou inocente em junho.

Os militares disseram que 15 indivíduos foram sujeitos a “ações disciplinares e outras ações administrativas” como resultado da investigação.

“Essas ações vão desde a remoção de pessoal de seus cargos, incluindo postos de comando, até punições extrajudiciais nos termos da Seção 15 do Código Uniforme de Justiça Militar”, disse a Força Aérea.

A investigação concluiu que a liderança da unidade de Teixeira na 102ª Divisão de Inteligência não era “vigilante” na supervisão da conduta dos seus membros e não priorizava a segurança no emprego.

READ  Inflação de ações na Ásia, preocupações com o crescimento; RBA atinge a pausa

Aqueles que recebem ação administrativa incluem membros da unidade e comandantes anteriormente suspensos foram removidos permanentemente, disse a Força Aérea.

“O 102º Grupo de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento foi desativado quando Teixeira foi identificado como a fonte das informações não autorizadas. O trabalho do grupo foi transferido para outras organizações da Força Aérea”, disseram os militares.

Após os alegados vazamentos, a Força Aérea implementou reformas “em relação à necessidade de saber e ao acesso classificado” e melhorou a “responsabilidade pela segurança de informações confidenciais e confidenciais”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *