Empresa de auditoria recém-contratada pela Trump Media presa pela SEC por ‘fraude massiva’

SAN FRANCISCO (AP) – A Comissão de Valores Mobiliários acusou uma empresa de auditoria contratada pelo Trump Media and Technology Group há 37 dias de “fraude massiva”, embora não por qualquer trabalho que tenha feito para a empresa de mídia do ex-presidente Donald Trump.

A SEC acusou a empresa de contabilidade BF Borgers e o seu proprietário, Benjamin F. Borgers, de “falhas intencionais e sistemáticas” em mais de 1.500 auditorias. As alegações incluem o não cumprimento das regras contabilísticas, a fabricação de documentos para encobrir as suas deficiências e a declaração falsa em relatórios de auditoria de que o seu trabalho cumpria as normas de auditoria.

Para resolver as acusações da SEC, BF Borgers concordou em pagar uma multa de US$ 12 milhões, e seu proprietário concordou em pagar uma multa de US$ 2 milhões, de acordo com a SEC. Benjamin Borgers não retornou imediatamente uma ligação para comentar.

BF Borgers e Benjamin Borgers também concordaram com suspensões permanentes, com efeito imediato, que os impedem de lidar com questões relacionadas à SEC como contadores.

Trump Media contratou BF Borgers como seu auditor em 28 de março O relatório anual mais recente da empresa. A empresa divulgou na época que a BF Borgers realizou suas auditorias antes de a empresa abrir o capital por meio de uma fusão. Uma empresa de fachada rica em dinheiro chamada Digital World Acquisition Corp.

A empresa já passou por pelo menos dois auditores – um que renunciou à conta em julho de 2023 e outro que foi demitido pelo conselho em março no momento em que BF Borgers foi recontratado.

Em comunicado, a Trump Media disse que “espera trabalhar com novos parceiros de auditoria para cumprir a ordem de hoje da SEC”.

READ  Trump diz que a Rússia pode fazer o que quiser com os aliados da NATO que pagam salários muito baixos

A SEC descobriu que os atalhos da BF Borgers incluíam copiar documentos de auditoria do ano anterior, alterar as datas relevantes e fazê-los passar por documentos atuais. Além de documentar falsamente o trabalho que nunca foi realmente realizado, os documentos falsos descreviam reuniões de planejamento detalhadas com clientes e “deturpavam” que tanto Benjamin Borgers quanto outro revisor haviam aprovado o trabalho de auditoria.

“Ben Borgers e sua empresa de auditoria BF Borgers são responsáveis ​​pela maior falha grossista dos gatekeepers em nossos mercados financeiros”, disse Gurbir Grewal, diretor da Divisão de Execução da SEC. “Graças ao trabalho árduo da equipe da SEC, Borgers e sua falsa fábrica de auditoria foram permanentemente fechados.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *