Líderes da UE concordam em iniciar conversações de adesão com a Ucrânia

Mantenha-se informado com atualizações gratuitas

Os líderes da UE concordaram em manter conversações de adesão com a Ucrânia na quinta-feira, depois de o primeiro-ministro da Hungria ter manifestado a sua oposição à mudança histórica para o país devastado pela guerra.

A decisão marca um marco importante no caminho determinado de Kevin para aderir à união assim que a guerra com a Rússia terminar e representa um endosso por parte de Bruxelas à trajetória do país para o oeste.

Faz parte do pacote de apoio proposto pela UE à Ucrânia, discutido numa cimeira em Bruxelas, com financiamento de 50 mil milhões de euros durante quatro anos, proveniente do orçamento partilhado do bloco. Depois que as negociações terminaram na manhã de sexta-feira, os líderes não conseguiram chegar a um acordo sobre o financiamento, mas planejam retomar as negociações no final do dia.

A determinação da UE em continuar a apoiar a Ucrânia tornou-se crítica desde que o Congresso dos EUA não conseguiu chegar a acordo sobre um pacote de 60 mil milhões de dólares para Kiev proposto pela Casa Branca.

“O Conselho Europeu decidiu abrir negociações de adesão com a Ucrânia e a Moldávia”, disse Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, que presidirá à cimeira. “Um sinal claro de confiança para o seu povo e para o nosso continente.”

Ele acrescentou aos repórteres: “É importante que nenhum Estado membro se oponha a esta decisão”.

“Estamos orgulhosos de ter cumprido as nossas promessas”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen, que chamou esta decisão de “uma decisão estratégica”.

READ  Kim Jong Un, da Coreia do Norte, ordenou aos militares que acelerassem os preparativos de guerra

A decisão veio depois de o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, ter optado por sair da sala durante o debate para permitir o acordo, segundo pessoas informadas sobre as negociações.

“A posição da Hungria é clara”, disse Orbán no Facebook. “A Ucrânia está mal preparada… iniciar negociações com a Ucrânia nestas circunstâncias é uma decisão completamente inútil, irracional e errada.

Mas ele disse: “A Hungria decidiu que se os 26 decidissem fazê-lo, deveriam seguir seu próprio caminho. A Hungria não quer participar nesta má decisão, por isso a Hungria abstém-se hoje de tomar esta decisão.

Os líderes concordaram que “quadros negociados” para a adesão à Ucrânia e à Moldávia, a primeira parte do processo, serão adoptados depois de ambos os países se comprometerem a cumprir as exigências de reforma estabelecidas pela comissão num relatório de Novembro.

O processo formal de adesão à UE pode levar anos e exigir mais de 70 decisões, permitindo que qualquer Estado-Membro bloqueie o progresso.

Antes da cimeira, Orban ameaçou bloquear tanto as negociações de adesão como o pacote de ajuda financeira, expondo a posição fragmentada da Rússia em Kiev após quase 22 meses de guerra.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, escreveu em resposta à ação da UE na plataforma de redes sociais X: “Esta é uma vitória para a Ucrânia. Uma vitória para toda a Europa. Um sucesso que inspira, motiva e capacita.”

Para além da Ucrânia e da Moldávia, os líderes da UE também concordaram em iniciar conversações de adesão com a Bósnia e Herzegovina, enquanto se aguarda uma revisão pela Comissão em Março do cumprimento dos critérios de adesão. A Geórgia também obteve o estatuto de candidata à UE.

READ  Putin anuncia campanha eleitoral presidencial de 2024

Para além do debate sobre o apoio à Ucrânia, os líderes da UE também falam sobre uma proposta de reforço no seu orçamento partilhado.

Um grupo considerável de membros ricos, liderados pelos Países Baixos e pela Suécia, disseram que concordariam em aumentar o orçamento apenas para ajudar a Ucrânia, enquanto outros – como a Itália e a Grécia – querem que os capitais contribuam com grandes quantidades de dinheiro novo. Gaste no gerenciamento da migração e outras prioridades.

“As discussões são difíceis, mas construtivas”, explicou um diplomata da UE no debate.

Os responsáveis ​​da UE iniciaram discussões técnicas sobre uma solução alternativa para angariar dinheiro para a Ucrânia fora do orçamento comum, mas insistiram publicamente que o seu único objectivo é convencer Orbán a abandonar o seu veto ao pacote financeiro. As autoridades dizem que um dispositivo não orçamentado duraria apenas um ano, custaria mais e levaria mais tempo para ser configurado.

“Estou pronto para negociar. Eu empacotei várias camisas [if] Levaremos muito tempo”, disse o primeiro-ministro da Finlândia, Petteri Orpo, que estava originalmente programado para durar dois dias. Apoiar a Ucrânia “tem a ver com a nossa segurança e a nossa existência como uma união credível. Precisamos de uma oposição forte aqui. Precisamos de mostrar a nossa solidariedade”, acrescentou.

Reportagem adicional de Andy Pounds e Javier Espinosa em Bruxelas, Martin Dunay em Budapeste e Max Seddon em Londres

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *