A UE ratifica o acordo de migração, mostrando uma mudança para a direita

BRUXELAS – A União Europeia assinou um acordo histórico na quarta-feira para revisar a política de migração, um acordo político que sinaliza uma mudança mais ampla e de direita em toda a Europa.

Após anos de discussões e dias de maratonas de negociações, os detalhes completos do acordo ainda não foram divulgados e o plano ainda precisa ser aprovado formalmente. Mas espera-se que mude muitos aspectos da forma como a UE lida com a imigração, desde os controlos nas fronteiras até ao tempo de detenção das pessoas.

“A migração é um desafio europeu comum – a decisão de hoje permitir-nos-á geri-la em conjunto”, tuitou a presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen.

À medida que a crise se desenrola em Gaza, a Europa fala em apertar as fronteiras

O fato de que se chegou a um acordo em tudo é revelado. O sindicato de 27 membros há muito luta para encontrar um terreno comum sobre a questão. Depois da pandemia, quando a migração saiu da agenda política – especialmente no meio de proibições de viagens e fronteiras fechadas – a questão voltou a estremecer nas campanhas eleitorais e nas eleições.

No ano passado, o aumento das chegadas e a politização da política de asilo e de refugiados aumentaram esse número em muitas capitais, dando impulso aos esforços da UE. Embora domine o debate político na Grã-Bretanha, Alemanha, França, Itália e outros países, o sentimento anti-imigrante dos eleitores impulsionou a extrema direita a novas vitórias em bastiões do liberalismo social, como os Países Baixos.

Nos primeiros 11 meses de 2023, o continente registou um aumento de 17 por cento nas chegadas irregulares em comparação com o mesmo período do ano anterior. As mais de 355 mil chegadas foram o maior número desde 2016, quando a região assistiu a um influxo histórico liderado por refugiados que fugiam da guerra civil síria.

READ  A espaçonave PebiColumbo da Europa passará hoje por Mercúrio, tirando fotos

Beatriz Rios, em Granada, Espanha, contribuiu para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *